Qatar. Brinquedos com cores do arco-íris, são apreendidos. Os pop-its e fidget toys, estão proibidos no país árabe com o argumento de contrariar os valores islâmicos, segundo o Ministério de Comércio e Indústria do país.

No Twitter oficial do ministério, fez circular a operação de inspeção em comércios de diferentes regiões do país. A campanha resultou em apreensões e identificações de uma série de violações, incluindo o confisco de brinquedos que violam os valores, costumes e tradições islâmicos, incluindo estes brinquedos populares.

Nas redes sociais, a atitude foi criticada, já que as cores do arco-íris são usadas em movimentos LGBTQIA+ e na versão mais conhecida da bandeira LGBTQIA+.

O Qatar é questionado por manter leis homofóbicas, pois prepara-se para receber mais um Campeonato do Mundo de futebol e em entrevista à CNN, o líder do comité organizador da Copa, Nasser Al Khater, disse que o público LGBTQIA+ será bem-recebido no país, mas que demonstrações públicas de afeto devem ser evitadas.

A verdade é que essa não é a primeira vez que as leis anti-LGBTQIA+ causam preocupação sobre um país-sede de um torneio de futebol. Em junho de 2021, o órgão que tutela o futebol europeu, a UEFA, recusou um pedido para iluminar a Allianz Arena de Munique com as cores do arco-íris para a partida da Euro 2020 entre a Alemanha e a Hungria em virtude da aprovação de uma lei anti-LGBTQIA+ pelo parlamento húngaro.