“Foi sempre a estação que esteve mais perto do povo”, afirmou Cristina Ferreira: “Vinte e oito anos de vida de uma estação é um facto assinalável. Visto a esta distância parece uma vida inteira, como se a TVI tivesse sempre feito parte da escolha dos portugueses”, começou por dizer Cristina Ferreira.

Depois, a diretora de Entretenimento e Ficção da TVI, ‘recuou’ no tempo: “Recuando ao início é curioso perceber que não chegou logo a todos os pontos do país. Na Malveira, durante um tempo, não existia a 4”.

“Mas quando se instalou depressa se percebeu que estava perto. A TVI foi sempre a estação que esteve mais perto do povo. Portugal na sua pequenez é tão vasto nas diferenças das suas gentes que me arrisco a dizer que a estação, da qual orgulhosamente faço parte, cedo percebeu para quem falava”, continuou.

Cristina Ferreira falou ainda sobre os espectadores: “Conhecer o público que nos abre as portas de casa é meio caminho andado para lhe sermos família. E esse foi sempre o entendimento de quem nos vê, a TVI é família. Uma família sem medo de falar, brincar, arriscar, sem vergonhas e preconceitos”.

“Por esta altura do ano, as célebres galas de aniversário juntavam rostos que se mostravam na sua verdade a milhões de pessoas. Este ano, mais do que nunca, a televisão tem um papel fundamental na sua missão de entreter e informar”, defendeu ainda.

A também apresentadora abordou ainda a pandemia de Covid-19: “Tem sido um ciclo de resistência de todos e, por isso, juntos, como se canta no hino, vamos, em data de aniversário celebrar Portugal e os portugueses”.

“Os parabéns da estação são os parabéns a um país que precisa de esperança e de alento. São o futuro na palma da mão. São o aconchego de quem tem na TVI a companhia que lhe falta em casa”, concluiu Cristina Ferreira, prometendo um programa único para o dia de aniversário.