“Os Portugueses têm boas razões para estarem gratos a Mário Centeno”, afirmou António Costa à TSF referindo, porém, que “ninguém está eternamente no Governo”.

O primeiro-ministro referiu que a auditoria que ainda está a ser realizada, “devia ter estado pronta em maio e só vai estar pronta em junho”, e é relativa a 2018, enquanto o empréstimo do Fundo de Resolução “é relativo a 2019”.

Quanto ao cargo de governador do Banco de Portugal, o Primeiro Ministro afirmou existir tempo para escolher um sucessor a Carlos Costa e que consultará partidos, Presidente da República e instituições