Miguel Melo critica “aproveitamento” da TV com o que acontece aos atores quando partem, afirmando que “O aproveitamento das televisões com os atores quando partem é proporcional ao tratamento que lhes dão em vida”, disse o artista.

O sucedido a Maria João Abreu, esta quinta-feira, dia 13 de maio, motivou emissões especiais dos programas da tarde quer da SIC, quer da TVI, onde foram feitas as mais diversas homenagens à atriz de 57 anos.

O artista Miguel Melo criticou os canais de televisão: “As televisões gostam do que vende enquanto vende. É tudo cenário maquilhado com purpurinas. Salvo raríssimas exceções, os atores ou passam a maior parte do tempo de vida cheios de dificuldades, conquistando em fim da vida alguma tranquilidade, ou começam a carreira com alguma facilidade e acabam na miséria”, nota.

“A grande maioria passa uma vida de muitas dificuldades. A Brava Maria João Abreu, uma atriz generosa e muito talentosa, não foi exceção. A melhor homenagem que lhe podem fazer é apoiar os atores em vida”, conclui.
 

Palavras com as quais Margarida Bakker, filha de Alexandra Lencastre, concordou: “Gostava tanto de ter 25 anos (como tenho) e de não perceber nada daquilo que dizes… a bagagem impingida desmistificou a podridão toda. Deixei de acreditar em karma hoje (que era provavelmente a única coisa em que acreditava)…”.