O que procuramos em alguém não é beleza mas maturidade e responsabilidade. Algumas pessoas acham que a vida de solteiro se resume em procurar um grande amor. E nessa ideia de estar necessariamente a procura de alguém surgem diversos comentários, não é mesmo? “Ah, ela é muito exigente” E sabes? Eu sou mesmo.

Antes eu aceitava qualquer coisa, achava que não iria conseguir um relacionamento melhor e ficava na mesmice. Eu aceitava pouco, mas hoje não. Hoje eu não aceito menos do que alguém por inteiro, gente que se acha metade cobra demais da gente. Isso sufoca, cansa e desgasta. A gente precisa se sentir leve e isso é responsabilidade demais: ser o preenchimento do vazio de alguém.

Ao contrário do que pensam a gente não está a procura de beleza, de rostos bonitos e corpos trabalhados, que por sinal há de monte por aí. É fácil achar alguém para curtir e passar um tempo junto. Difícil mesmo é achar alguém com conversa interessante, ideias e opiniões valiosas que faz a gente perder a noção do tempo em uma conversa boa que flui sem precisar forçar. Tem se tornado cada vez mais raro encontrar alguém maduro.

Emocionalmente falando. O que encontramos são pessoas doentes que acham que relacionamento é cura para todos os males. Gente que não sabe lidar com frustrações e que foge de problemas.

Pessoas imaturas que transferem as suas responsabilidades para o outro, que ficam na zona de conforto, não assumem erros, não pedem desculpa e que não sabem dialogar.

Não é essa beleza externa que procuramos é a beleza de dentro. Da alma, do jeito, do charme, do encanto e da conversa boa. É a beleza da paz, da companhia sincera e de todas as horas. A beleza da maturidade, da responsabilidade e do compromisso. É essa beleza que encanta e que não encontramos por aí.

Créditos: Thamilly Rozendo (adaptado)