Grande parte dos portugueses terminam o pagamento da casa só aos 70 anos, aponta o Banco de Portugal (BdP).

O BdP, num relatório de acompanhamento da recomendação macroprudencial afirma que: “Atendendo ao envelhecimento da população portuguesa e à redução significativa do rendimento dos mutuários na passagem da vida ativa para uma situação de reforma, não obstante a redução de despesas que poderá ocorrer, a elevada concentração de empréstimos em mutuários com idade superior a 70 anos no termo do empréstimo poderá constituir um risco para o sistema financeiro“.

O mesmo relatório refere ainda que “quase dois terços do stock de empréstimos à habitação estava associado a devedores cuja idade no termo do empréstimo será superior a 70 anos e cerca de um quarto estava associado a devedores cuja idade será superior a 75 anos. A maior parte destes mutuários contraiu os seus empréstimos entre os 27 e os 40 anos de idade”, lê-se.

Como a concessão de empréstimos muito longos permite que “o termo dos empréstimos ultrapasse a vida ativa dos mutuários”, o BdP considera fundamental existirem limites à maturidade dos novos créditos habitação.

Assim, e a partir de ontem, 1 de abril, são recomendados os seguintes limites à maturidade máxima dos créditos habitação:

  • 40 anos, para mutuários com idade inferior ou igual a 30 anos;
  • 37 anos, para mutuários com idade superior a 30 anos e inferior ou igual a 35 anos;
  • 35 anos, para mutuários com idade superior a 35 anos.