Nem sempre é fraqueza, às vezes é por ter sido forte demais. Às vezes desabamos mentalmente, não porque somos pessoas fracas, mas por sermos muito fortes. Sofremos demais, durante muito tempo. Assumimos muitas responsabilidades. Vencendo uma guerra após outra e só o facto de sermos pessoas fortes, parece que nos impõe a obrigação de jamais termos o direito de fraquejar um instante sequer.

Mas é muito compreensivo e normal, às vezes, sofrermos uma profunda exaustão psicológica.

O cansaço psicológico geralmente é um processo lento, ele se acumula gota a gota sem perceber. A gota d’água que transborda o copo pode ser qualquer coisa que nos coloca cara a cara com a impossibilidade de resolver determinados assuntos que vão se acumulando. Então nós caímos, física e mentalmente.

O que é o esgotamento psicológico e quais são as suas causas?

O esgotamento psicológico é um estado de extrema exaustão mental e emocional, que muitas vezes é acompanhado por um sentimento de falta de força física. Esse estado de desgaste extremo é causado por um excesso de recursos emocionais e / ou cognitivos. Em outras palavras: nós não damos mais de nós. Muitas vezes, é experimentado como uma espécie de inércia física e mental, um sentimento de “peso” que envolve o dia a dia, como se estivéssemos ligados no piloto automático.

As causas do esgotamento psicológico são variadas, embora em muitos casos haja uma constante: dar muito e receber pouco, por exemplo. A exaustão psicológica aparece como resultado de uma entrega constante e até mesmo excessiva, seja no trabalho, para outros, para um projecto que nos excita, mas também nos consome; aos problemas quotidianos, às tarefas do dia a dia.

Ao mesmo tempo, não recebemos praticamente nada em troca que possa equilibrar o saldo. Não podemos descansar e relaxar o suficiente, não passamos tempo de qualidade sozinhos com nós mesmos e não recebemos atenção, carinho e compreensão suficientes das pessoas que nos rodeiam. Na prática, é como se extraíssemos toda a energia do nosso emocional, mas não nos preocupamos em repô-las.

Em outros casos, a fadiga mental é causada por muitas mudanças num tempo muito curto, embora estes sejam positivos. No entanto, quando acontece tão rapidamente, não podemos gerenciá-los e nos sentimos sobrecarregados. Nesses casos, embora aparentemente tenhamos tudo o que queremos, em nossa mente temos um tipo de sensor que nos diz que algo está falhando.

Fadiga mental: sintomas premonitórios de exaustão

  1. Perda de energia. O sentimento de exaustão psicológica geralmente se reflete primeiro fisicamente, então é normal que te sintas sem energia. Só o acto de abrir os olhos pela manhã, faz-te pensar que não poderás enfrentar o dia.
  2. Irritabilidade. Um dos sintomas mais evidentes de exaustão psicológica é nervosismo, irritabilidade e hipersensibilidade porque perdes o autocontrole com mais facilidade do que o normal. Ao mesmo tempo, começas a interpretar os estímulos como se fossem ameaças, o que te leva a reagir, colocando-te na defensiva.
  3. Insónia. Muitas vezes, por trás do esgotamento psicológico, estão ocultos problemas não resolvidos, que se aproximam na tua mente, de modo que não permitem que durmas bem e tu te vês acordado por várias horas durante à noite.
  4. Incapacidade de desfrutar de pequenos prazeres da vida. As coisas que já desfrutaste já não te encorajam mais. É como se o mundo subitamente tivesse perdido as suas cores. Em alguns casos, podse sentir como se flutuasses numa espécie de limbo que o distancia da realidade.
  5. Perda de motivação. Quando estás extremamente exausto, simplesmente não encontras a motivação para te envolveres em novos projetos ou fazeres as coisas com as quais te apaixonavas antes. Qualquer tarefa parece titânica e desenvolves uma profunda apatia em relação ao mundo. E a todo momento aparecem sentimentos de desencanto, decepção e desespero.
  6. Falhas na memória. A atenção é um dos primeiros processos psicológicos que são afetados quando estás exausto, o que também leva a lapsos frequentes. É provável que esqueças as mensagens, que não lembres de onde deixaste as chaves ou mesmo que tenhas dificuldade em lembrar o que comeste no dia anterior. Isso ocorre porque a tua mente está muito saturada para continuar a processar e armazenar informações no nível consciente.
  7. Pensamento lento. O esgotamento psicológico também afeta processos cognitivos, então pode perceber que pensas mais devagar ou que tens dificuldade em pensar. O que costumavas fazer rapidamente, custa-te muito mais e às vezes até achaste difícil dar um sentido lógico às ideias na tua mente ou acompanhar um longo discurso.

Quem é mais vulnerável ao esgotamento psicológico?

Todos podemos nos esgotar psicologicamente, especialmente quando passamos por situações particularmente stressantes na vida, mas existem algumas características de personalidade que podem nos tornar mais vulneráveis ​​a essa exaustão mental.

– Perfeccionismo. Os perfeccionistas, que exigem muito de si mesmos, acabam adicionando um peso extra nos ombros que, a longo prazo, representa mais stresse.

– Dificuldade para delegar. As pessoas que querem assumir todas as tarefas, porque acreditam que os outros não sabem como fazê-las ou não estão à altura, são mais propensas a sofrer o esgotamento psicológico devido a um excesso de responsabilidades.

– Sensibilidade extrema. As pessoas que são muito empáticas e hipersensíveis são mais propensas a sofrer um estado de exaustão emocional porque muitas vezes assumem os problemas dos outros como os seus próprios, sem poder estabelecer uma distância psicológica de protecção.

– Incapacidade de relaxar. Algumas pessoas, devido às características do sistema nervoso, acham mais difícil relaxar e desconectar-se do que outros. É como se o seu cérebro tivesse a funcionar a mil revoluções por minuto constantemente. No entanto, no longo prazo, isso acaba por fazer o exame do seu pedágio.

Remédios para a fadiga mental: as 5 regras a seguir

Todos devem encontrar o seu próprio remédio para a fadiga mental, o que significa que deves detectar o que está a consumir a tua energia e enfrentar esse problema, talvez numa perspectiva diferente. Lembra-te de que, às vezes, uma mudança de perspectiva é suficiente para mudar tudo, sem que nada mude.

No entanto, aqui estão 5 regras gerais que deves seguir para lidar com o esgotamento psicológico:

  1. Descansa. Para ser eficaz e produtivo, precisas descansar. Na vida, é essencial encontrar um equilíbrio entre trabalho e obrigações e tempo livre e descanso. Certifica-te de encontrar o tempo para relaxar, de modo que se torne um hábito diário – dos 15 minutos após às refeições – e assim, podes evitar o esgotamento físico e psicológico.
  2. Priorizar. O dia tem 24 horas, embora queiras não podes estendê-lo. Portanto, deves aprender a priorizar as coisas que parecem ser urgentes, mas também aquelas com as quais és mais apaixonado. Porque se preencheres o teu dia com tarefas que geram stresse, isso causará fadiga mental profunda, então deves permitir um equilíbrio dentre as tuas prioridades.
  3. Demanda menos. Sê um pouco mais realista, não és um super-homem ou uma super-mulher. Às vezes, nada acontece se cometeres erros, se as coisas não forem perfeitas ou se as adiares. Não adiciones pressão desnecessária à tua vida,  não és uma panela.
  4. Sê compassivo contigo mesmo. Trata de te relacionar contigo, assumindo uma atitude mais positiva e compassiva. Consiste em modular o discurso que manténs contigo, dando-te confiança e tranquilidade, em vez de recriminar e criticar a ti mesmo com dureza. Um discurso que acrescenta mais stresse e desconforto se tornará o combustível que alimenta o esgotamento psicológico.
  5. Reencontra-te. O esgotamento psicológico geralmente cria uma camada composta de preocupações, pressões, deveres, angústia e auto-demandas que, a longo prazo, nos faz esquecer de nós mesmos. Portanto, é importante que encontres um espaço para estares sozinho contigo, alguns momentos do dia em que simplesmente respires com facilidade e te conectes com as tuas necessidades, sonhos e desejos.