Valoriza quem escolhe estar contigo por amor, sem segundas intenções. Não acostumes o outro a procurar-te apenas quando precisa de algo que tu podes dar. Valoriza quem escolhe estar contigo por amor, prazer, alegria, sem segundas intenções.

És uma mulher e não o Centro de Reabilitação do teu parceiro!

Muitas de nós nascemos com um instinto materno, protetor. Queremos fazer com que tudo e todos à nossa volta se sintam bem, felizes, protegidos, amados. É da natureza de muitas, mas, por vezes, deixamos que as pessoas se aproveitem disso. Amigos, familiares, patrões e, principalmente, parceiros.

Quando a gente não diz o que sente, o outro vai embora sem saber que talvez tivesse um motivo para ficar.

Conhecemos alguém e nos apaixonamos. Quando esta pessoa entende que estamos envolvidas o suficiente, que somos capazes de fazer todo o possível para vê-la feliz, ela se aproveita disso.

Já vi mulheres tomarem grandes empréstimos para resolver a vida dos seus parceiros, deixarem o trabalho para se dedicar ao negócio deles. Já vi mulheres se envolverem em situações com ex-mulheres ou ex-namoradas deles para ajudar na solução de problemas com os filhos deles. Já vi mulheres viverem em função do parceiro, na tentativa de “salvá-los” de vícios. Já vi muitas mulheres servirem de suporte para que homens SE recuperassem de finais de relacionamentos tumultuados e sofridos com outras pessoas.

Já vi mulheres mudarem de cidade e abrirem mão de tudo para ajudar o parceiro numa oportunidade que ele teve. Já vi mulheres abandonarem grandes carreiras porque o parceiro se sentia frustrado com o crescimento dela. Já vi mulheres abandonarem os seus sonhos para viver a vida e o sonho do parceiro. Já vi mulheres permanecerem como amantes de homens que diziam que elas eram o “refúgio” deles.

E o final é sempre o mesmo: quando o parceiro passa pela fase difícil, melhora emocional e financeiramente, quando se fortalece e se sente pronto, simplesmente segue em frente.
E a “parceira”, que se permitiu ser usada como degrau e Centro de Reabilitação, é deixada para trás. Sim, ela se permitiu, acreditando que ganharia algo com isso. Na maioria das vezes, acreditou que ganharia o amor da pessoa.

Entende, não estou a dizer que não deves ajudar o teu parceiro. Relacionamento é parceria. Um ajuda o outro e os dois crescem, juntos. Mas tem que ser uma via de mão dupla. Se somente um lado doa, cuida, cede, a balança fica desequilibrada e a consequência é frustração e sofrimento. E ninguém quer isso, concorda?

A chave de um bom relacionamento é o equilíbrio.

O teu parceiro tem que se colocar à prova e correr atrás dos próprios sonhos, colocar-se no fogo, se quiser crescer e resolver os próprios problemas.

Não és o Centro de Reabilitação do teu parceiro, não podes e nem deves resolver tudo para ele. És o ponto de apoio, a companheira, a amiga, mas não podes te colocar como alavanca para a vida do outro.

Ninguém pode salvar ninguém. O processo de salvação é individual.

Não acostumes o outro a procurar-te apenas quando precisa de algo que podes dar. Valoriza quem escolhe estar contigo por amor, prazer, alegria, sem segundas intenções, não porque espera que faças algo por ele.

Porque uma hora a fonte seca e vais desejar mais do que está a receber, mas não vais ter.